Núcleos

O Colégio Santa Isabel aposta também no poder transformador da arte e proporciona a seus alunos um contato direto com esse universo. A escola oferece aulas de música, dança e teatro e acredita que o incentivo à cultura ajuda a formar indivíduos mais criativos.

O grupo de Teatro, Vivaz, já está há anos brilhando nos palcos da escola e fora dela. Os alunos aprendem a arte de encenar, como funciona a produção, escolha do figurino, iluminação e todo o universo que compõe a magia dos palcos. Muitos superam a timidez e adquirem disciplina e responsabilidade que refletem também no processo educacional.

No palco também brilham as meninas do Grupo de Dança do Colégio Santa Isabel. Seja através do jazz ou do balé, elas mostram toda suavidade, leveza e ritmo que aprendem com as aulas de dança. Ao final de todo ano letivo, elas demonstram o seu talento no Festival de Dança, além das várias apresentações realizadas durante os eventos da escola.

O Colégio Santa Isabel acredita que a prática esportiva faz parte da formação integral da pessoa humana. O aluno adquire, através do esporte, valores fundamentais como socialização, respeito, solidariedade, motivação e auto-estima.

A escola conta com uma estrutura que capacita aos alunos à prática de handebol, voleibol, futsal, basquetebol, futebol de campo, karatê, natação e hidroginástica. As aulas dessas modalidades estão também abertas a comunidade em geral.

Durante o todo ano são realizados os Sábados Esportivos que incluem atividades recreativas e integram ainda mais os alunos, pais e professores da escola.


A Coordenação Pedagógica é a gestora das atividades pedagógicas. Juntamente com as Coordenações por Nível de Ensino implementa as diretrizes para o desenvolvimento cognitivo e social dos alunos e viabiliza o trabalho coletivo, criando e organizando mecanismos de participação em programas e projetos educacionais, com metodologias e técnicas que facilitem o processo de ensino e aprendizagem. Sistematizam o trabalho didático – pedagógico a ser desenvolvido no Colégio, visando atingir níveis de excelência pedagógica e supervisionam a elaboração dos Planos de Curso tendo em vista a dosagem dos componentes curriculares em cada série, ordenados em sequência lógica e gradual, zelando pela intercomplementaridade e transversalidade do currículo.

Coordenação Geral: Conceição Amorim

Coordenação da Educação Infantil:

Márcia Ximenes – Infantil I, Infantil II, Infantil III, Infantil IV

Marta Pascoal – Infantil V

Coordenação do Ensino Fundamental – anos iniciais

Marta Pascoal – 1º ano

Socorro Duarte – 2º e 3º anos

Cláudia rios – 4º e 5º anos

Coordenação do Ensino Fundamental – anos finais

Melina Fontenele – 6º e 7º anos – manhã

Glícia Santos– 8º e 9º ano – manhã

Júnior Lopes – 6º, 7º, 8º anos – tarde

Reginaldo Ramos – 9º anos – tarde

Coordenação do Ensino Médio

Reginaldo Ramos – 1ª e 2ª séries

Júnior Lopes – 3ª série

Coordenação do Sistema Integral

Fernanda Assis

Ninguém duvida da importância que tem para a criança a vida de cada dia e o que nela é habitual, o que ocorre com uma certa constância. Isso implica, para pais e educadores, dar importância à organização do que vamos denominar de “contextos habituais”. Esses dão à criança a segurança de saber o que fazer em cada momento. Um hábito é um mecanismo estável que cria destrezas ou habilidades. Além disso, é flexível, podemos utilizá-lo para situações distintas e modificá-lo se for preciso. Por exemplo, o hábito de abotoar-se.

Os contextos habituais proporcionam um componente importantíssimo de constância e regularidade. Por isso são fundamentais tanto para a vida escolar como para a vida familiar.

Nos primeiros anos de vida, as crianças adquirem hábitos não apenas porque têm a possibilidade e a capacidade de aprender, mas essencialmente porque é o período mais crítico, dinâmico e potencial da vida para aprender.

Os hábitos que se adquirem nos primeiros anos adaptam-se ao modo de ser de cada um. Aqueles que nos rodeiam aprendem a respeitá-los como parte integrante de nossa maneira de ser. Desse modo, os hábitos convertem-se em valiosos recursos de identidade pessoal.

Os adultos que convivem com a criança, de forma intencional ou não, propõem a ela valores e diretrizes de conduta por meio dos hábitos que a forçam a adquirir.

Daí se deduz que os pais e educadores dessa etapa do desenvolvimento têm que pensar quais os hábitos que pretendem que as crianças adquiram.

OS hábitos são instrumentos de reorganização.

Os hábitos mantêm o equilíbrio psíquico das crianças e incrementam suas possibilidades de desenvolvimento e aprendizagem. Isso permite que possam estar abertas e dispostas a realizar, a todo o momento, novas aprendizagens.

HÁBITOS A EDUCAR NOS PRIMEIROS SEIS ANOS DE VIDA

Hábitos em relação ás vivências vitais

  • Hábitos em relação à alimentação.
  • Hábitos em relação à higiene.
  • Hábitos em relação ao descanso.

Hábitos que reforçam a imagem positiva da pessoa

  • Hábitos em relação ao cuidado pessoal.
  • Hábitos em relação à agilidade de condutas.

Hábitos em relação à comunicação e a à convivência

  • Hábitos em relação ao desenvolvimento da autonomia pessoal.
  • Hábitos para favorecer as relações interpessoais.
  • Hábitos para favorecer as experiências grupais.

Hábitos em relação às atividades e à escola

  • Hábitos em relação à ordem.
  • Hábitos em relação às atividades corriqueiras.
  • Hábitos em relação à horários de aula.

Acabamos de fazer uma descrição de alguns hábitos fundamentais que devem ser ensinados nos primeiros anos de vida. Não são os únicos. Há outros relacionados à própria defesa, a natureza, ao ambiente, etc.

Ademais, gostaríamos de sublinhar alguns hábitos que consideramos imprescindíveis para a criança no espaço escolar: o fardamento escolar, horário de chega/saída, apresentação das atividades escolares. Compreendendo, sobretudo, que nessa fase da vida são constituídas as referências de atitudes e hábitos que nortearão sua conduta ao longo da sua história pessoal.

(trechos extraídos do livro: Educação Infantil: desenvolvimento, currículo e organização escolar. Teresa Lleixá Arribas et.al. ; Trad. Fátima Murad – 5. Ed. – Porto Alegre: Artmed, 2004)

O Serviço de Orientação Religiosa tem como objetivo maior oferecer e cuidar da formação religiosa, ética e pastoral dos alunos, professores, funcionários e pais de alunos, a fim de que suas vidas se iluminem pelos critérios de Jesus Cristo e possam formular coerentemente seus projetos pessoais e comunitários de vida. O SOR promove, organiza e acompanha a formação religiosa e espiritual de toda a Comunidade Educativa.

A história

A Biblioteca Irmã Epifânia foi fundada em 1938, reinaugurada em 1998 e, em 2011, totalmente modernizada com novo design, proporcionando aos usuários um ambiente agradável para o aprimoramento da cultura.

Biblioteca Irmã Epifânia

O Colégio Santa Isabel sabe da importância da leitura na vida escolar de seus alunos e, por isso, oferece em sua estrutura uma biblioteca climatizada com um grande acervo de livros, revistas e jornais para pesquisa.

A Biblioteca Irmã Epifânia tem espaço próprio para os alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental – Anos Iniciais, além do acervo destinado aos alunos do Ensino Fundamental – Anos Finais e Ensino Médio.

Na biblioteca, o aluno também encontra ambiente para estudar, na sala de leitura individual, ou realizar trabalhos em grupos, na sala de leitura coletiva. Durante o ano letivo, a biblioteca realiza projetos para incentivar a leitura dos alunos.

Serviços Oferecidos

  • Atendimento individual;
  • Orientação nas pesquisas;
  • Empréstimo domiciliar;
  • Atividades culturais;
  • Jornal do dia;
  • Fotocópias.

Normas de Empréstimo

Limitação e Prazos

FUNCIONÁRIOS E PROFESSORES – 3 livros por 15 dias corridos

ALUNOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL – 2 livros por 3 dias corridos

ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL I – 2 livros por 3 dias corridos

ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II – 2 livros por 5 dias corridos

ALUNOS DO ENSINO MÉDIO – 3 livros por 5 dias corridos

PERIÓDICOS – 2 revistas por 2 dias corridos

Reserva

O leitor reservará a publicação, caso ela não se encontre na Biblioteca.

Renovação

O prazo de empréstimo poderá ser renovado caso a publicação não esteja reservada.

Devolução

Se a data de devolução e/ou renovação coincidir com dias de feriados, esta deverá ser feita um dia antes ou no primeiro dia útil após a data estabelecida. Caso a devolução da obra não seja efetuada na data estabelecida, o usuário pagará multa de R$ 0,50 (cinquenta centavos) por dia de atraso.

Extravio da obra

O usuário deverá repor a mesma em caso de perda ou dano.

Nosso Acervo

Periódicos

Jornais O Povo e Diário do Nordeste, revistas especializadas e informativas.

Obras de referência

São obras cativas da Biblioteca: enciclopédias, dicionários, mapas, almanaques, atlas etc.

Acervo geral

Livros das mais variadas áreas do conhecimento humano:

História, Geografia, Ciências, Filosofia, Matemática, Literatura, Biologia etc.

Ambiente da Biblioteca

Infantil; estudo individual; estudo em grupo; periódico; técnico e acervo geral.

 

 

Imagine conduzir a sua vida seguindo ensinamentos de Salomão no Livro dos Provérbios?

Vês um homem diligente em seu trabalho? Ele será posto a serviço de reis (Prov. 22:29)

Sempre que assumimos uma tarefa ou perseguimos um objetivo, podemos chegar a resultados incríveis, ótimos, ruins e terríveis. Aqueles que obtiveram resultados satisfatórios, conseguiram isso porque aprenderam e utilizaram uma habilidade simples, porém inacreditavelmente poderosa. Walt Disney, Bill Gates, Oprah Winfrey e Steven Spielberg são alguns dos que a utilizaram. Estou falando sobre a habilidade da diligência.

Todos possuímos características que fazem parte da condição humana e que produzem nossos impulsos naturais, inclinações, forças e fraquezas. A diligência, no entanto, não é uma delas. Na verdade, a característica humana comum a todos os seres humanos é o desejo de gratificação instantânea. Queremos o máximo possível o mais rápido possível. Temos uma inclinação natural a seguir o caminho que oferece menos resistência. Felizmente, apesar disso, podemos escolher um que ofereça maior resistência e nos tornarmos diligentes em relação a qualquer empreendimento, projeto ou objetivo.

DILIGÊNCIA é uma habilidade adquirida que combina persistência criativa, esforço inteligente, planejado e executado de forma honesta e sem atrasos, com competência e eficácia, de modo a alcançar dentro do mais alto nível de excelência.

Os passos de Salomão para trazer diligência para sua vida

Tornar-se diligente leva tempo e requer que se crie o hábito de exercer a diligência diariamente nas áreas importantes da vida. Salomão nos oferece quatro passos que podemos colocá-los imediatamente em prática:

1. Acorde para a realidade

“Até quando dormirás, ó preguiçoso? Quando te levantarás do sono? (Prov. 6, 9-11)”.

Costumamos achar que temos tempo de sobra para alcançar nossas metas pessoais e profissionais, e por isso adiamos nossas obrigações. Salomão diz: acorde e chega de adiar!

Acorde para a realidade á sua volta. Despertemos para o mundo real, com suas obrigações, exigências e oportunidades. O tempo não pára, e cada dia desperdiçado não volta mais. Acorde e traga diligência para sua vida agora. Assuma as rédeas da sua história, das suas atitudes, dos seus valores e do uso que você faz do seu tempo.

2. Defina suas visões

Salomão descreve em Provérbios 28,19: “A falta de visão leva às pessoas á ruína”. Em outras palavras, quando não temos visão perdemos nossa direção, motivação, alegria, paixão, criatividade e dedicação. Felizmente, o inverso também é verdade. Definir uma visão é essencial para a diligência. Na verdade, é impossível ser diligente de fato se você não tem uma visão clara de onde quer chegar.

3. Parcerias eficientes

Na falta de conselhos, os planos fracassam, mas se realizam quando há muitos conselheiros (Prov. 15,22).

Em qualquer projeto relevante, é impossível ser diligente sem buscar orientação externa e parcerias eficientes. Inúmeras pessoas são profundas conhecedoras de um pequeno número de coisas e totalmente ignorantes e ineptas em milhares de outras. Ainda assim, a verdadeira diligência exige excelência em cada passo. A única maneira de alcançarmos excelência nas áreas em que não somos especialistas é buscar conselhos e/ou parcerias eficientes.

As pessoas diligentes de fato não buscam orientação apenas quando estão tendo problemas com um projeto; pelo contrário, elas procuram conselhos antes mesmo de iniciar um empreendimento.

4. Persiga a sabedoria: faça dela o alicerce da sua vida

Melhor do que ouro é adquirir sabedoria, e adquirir discernimento é melhor do que a prata (Prov. 16,16).

Salomão nos diz para buscá-la como se ela fosse um tesouro escondido. São raras às vezes em que a verdadeira sabedoria aparece espontaneamente diante de nós. Pelo contrário, aqueles que procuram esse tesouro muitas vezes são obrigados a cavar o solo. Porém não é uma busca árdua. É interessante procurar tesouros enterrados, e encontrá-los é maravilhosamente recompensador. É impossível ser diligente em qualquer empreendimento sem antes adquirir uma visão clara e precisa de onde você quer chegar.

(Trechos do livro: Salomão, o homem mais rico que já existiu. Steven Scott (TRADUÇÃO DE Fabiano Morais). – Rio de Janeiro: Sextante, 2008.)

“MEU FILHO É AGRESSIVO…!” Para cada um de nós esta frase tem uma conotação, um significado diferente, pois determinado tipo de comportamento pode ser considerado agressivo para uns e não para outros.

Mas afinal, O QUE É SER AGRESSIVO???

Seria qualquer ação que pretende danificar algo ou alguém. Geralmente, estes atos agressivos não são a verdadeira expressão de raiva, mas sim desvios de outros sentimentos (como mágoa, insegurança, etc.) que devido ao fato da criança não saber como lidar com eles, expressa-os através de atos agressivos.

É essencial saber discernir quando um comportamento agressivo é passageiro, por motivos temporários, como o nascimento de um irmãozinho, a hospitalização ou perda de um ente querido, ou ainda por mudança de casa ou escola ou se pode ser considerado como um transtorno de conduta, caso em que é necessário um acompanhamento de especialista para auxiliar a sanar o problema. Se não dermos a devida importância nesta fase essas atitudes poderão evoluir de forma prejudicial na adolescência e vida adulta, podendo transformar a criança em agente ou alvo de Bullying.

Agressividade NÃO é traço de personalidade. Portanto, NÃO existem crianças que SÃO agressivas – se digo que “Joãozinho é agressivo”, esta agressividade se torna parte dele, da sua identidade/personalidade e isto é falso. O correto é dizer que “Joãozinho cometeu um ato agressivo”. Portanto o CORRETO seria dizer que a criança ESTÁ agressiva.

Existem dois tipos de agressividade: a) INSTRUMENTAL: dirigida apenas para alcançar uma recompensa, não visa acarretar sofrimento ao outro; b) HOSTIL: tem como objetivo atacar/ferir o outro.

FATORES QUE INFLUENCIAM…

Dentre os fatores que influenciam a agressividade, encontramos o meio ambiente no qual a criança está inserida. Geralmente acredita-se que a agressividade provém apenas de força interna, que é algo inerente ao indivíduo. Ao contrário, é o ambiente que perturba a criança. O que falta internamente à criança é a capacidade e a habilidade para lidar com esse ambiente que a deixa com raiva, com medo, insegura…

Logicamente, todos nós sofremos pressões do ambiente em que vivemos e nem todos respondemos a esse ambiente com comportamentos agressivos. O que acontece é que para alguns existe um déficit frente à capacidade de tolerar frustrações, suportar coisas que não podemos ter na vida, que não sabemos ou que não entendemos.

Sabemos então que a agressividade não é algo inato, algo com que a criança já nasça e nem um traço de personalidade. Ela é influenciada pelo meio. Porém antes da criança receber a influência deste meio macro-social, em uma primeira etapa a criança é influenciada pelo meio micro-social, ou seja, pela sua família.

ATENÇÃO também aos programas de televisão. Pode-se encontrar programas com imagens que chegam a requintes de perversidade…

NÃO há tendência inata ou subjacente para a agressividade. Tudo isso é comportamento aprendido. Cada criança tem a sua própria história de vida, cada uma levou “diferentes socos” da vida, cada uma foi educada em famílias diferentes, com valores e idéias diferentes… portanto só poderiam ser diferentes!!!

A agressividade não desaparece por completo com o passar do tempo. O que ocorre é que a criança aprende com os adultos que há outras formas de se defender e obter aquilo que deseja. Quando os pais ou professores ensinam que não é necessário tirar dos colegas os brinquedos, mas que é possível pedir para brincar com eles ou chegar a um acordo sobre como dividi-los, eles estão ensinando à criança estratégias sociais que podem substituir condutas agressivas. Se esse tipo de estratégia se mostrar eficaz, gradualmente a criança aprende a negociar e, se o ambiente dela (escola, família, grupo social) valorizar essa atitude, aos poucos, a conduta agressiva passa a ser menos freqüente que outras formas de controlar o ambiente. É por isso que as brigas e as disputas são menos freqüentes com o passar do tempo e só acontecem em situações extremas.

Isso nos mostra que a agressividade não é algo próprio da “natureza” das crianças. É um tipo de comportamento que tem uma função no desenvolvimento delas e, assim como é aprendido (se a criança bate no colega é porque teve oportunidade de observar esse comportamento em outras pessoas), também pode ser substituído por outras condutas.

AS “CONDUTAS DE RISCO”…

Há uma série de condutas dos pais que podem ser chamadas de “condutas de risco” para o desenvolvimento de padrões agressivos de comportamento nos filhos. Uma dessas condutas é a inconsistência na forma de colocar limites: por vezes, os pais são permissivos demais, deixando que a criança faça tudo o que deseja, e, em outras ocasiões, são autoritários, punitivos e inflexíveis em excesso. Esse tipo de educação deixa a criança confusa sobre o que pode e o que não pode fazer e acaba tornando-se difícil para ela distinguir o certo do errado, o aceitável do inaceitável. Também não é raro encontrar pais que estimulam a conduta agressiva dos filhos, principalmente dos meninos, para a resolução de conflitos.

Apropriando-nos cada vez mais dessas informações podemos compreender as atitudes, comportamentos das nossas crianças e, assim intervir, quando necessário, de forma serena e firme, auxiliando-as nesse processo de constituição da sua identidade.

O Colégio Santa Isabel sempre cultivou uma tradição de realização de Olimpíadas Internas de Matemática, mas somente a partir de 2005 a escola ampliou para as outras áreas seguindo o exemplo das Olimpíadas da Associação de Educação Católica do Ceará (AEC- CE) que envolvem Matemática e Ciências (Física, Química e Biologia).

Em 2010 continuamos a incentivar a participação dos alunos em Olimpíadas, mas com foco maior na sistemática do ENEM. Em 2012 ampliamos nossa participação em olimpíadas nacionais inserindo a Olimpíada Nacional em História do Brasil e foi com muita alegria que celebramos o maior número de equipes medalhistas do Ceará e nossa escola foi representada por 12 equipes, somando ao todo 36 alunos na final. Tivemos ainda uma de nossas equipes classificada como primeiro lugar geral do Ceará.

Em 2015 retornamos com as aulas de aprofundamento que tem como objetivo preparar os alunos para a participação em Olimpíadas Externas.

A adolescência é uma etapa intermediária do desenvolvimento humano, entre a infância e a fase adulta. É um período marcado por diversas transformações corporais, hormonais e até mesmo comportamentais.

Nela, a pessoa descobre sua identidade e define a personalidade. Nesse processo, manifesta-se uma crise, na qual são reformulados os valores adquiridos na infância e assimilados uma nova estrutura, mais madura. A adolescência é uma época de imaturidade em busca da maturidade. Compreendemos que ás vezes é difícil para os pais este novo período na educação dos filhos.

Porém, entendemos o quanto é importante estarem juntos e acompanharem nessa etapa:

  • sendo presentes e amigos, procurando dialogar e participar da sua rotina;
  • acompanhando diariamente seus estudos, demonstrando interesse pela sua vida;
  • conhecendo suas amizades, limitações, fraquezas e possibilidades;
  • ajudando na identificação da autêntica liberdade, distinguindo-a da falta de limites e de regras.
  • guiando-os para boas condutas, valores e às aspirações mais nobres;
  • acompanhando-os nas suas escolhas, direcionando-os e mostrando melhores caminhos.

Enfim, sejam pais amigos, tenham atitudes de amor e autoridade, quando necessário. Para o adolescente, nada é estável nem definitivo, porque se encontra numa época de transição, porém a família deve ser seu principal aliado e parceiro nessa nova etapa e descoberta de vida.

Seu envolvimento fará toda a diferença para um individuo ético e saudável.

Atenciosamente.
Martha Porto, Silvana Tavares e Melina Fontenele
Texto adaptado por Martha Porto
Março/2010

CSI Integral

 

O CSI Integral proporciona aos alunos uma educação que abrange as várias possibilidades da aprendizagem e garante uma formação ampla, com acompanhamento pedagógico contínuo para que o educando desenvolva as habilidades e as competências para a formação do hábito de estudo. Além de propor atividades que estimulem o convívio social e as conquistas de uma aprendizagem significativa em um ambiente com infraestrutura adequada e com profissionais preparados, atendendo alunos do Infantil I ao 9º ano do Ensino Fundamental.